02/11/14

Qual a diferença entre os processadores Exynos e Snapdragon nos aparelhos Samsung?



Desde o Galaxy S2 a Samsung lança duas versões de seus smartphones flagship, uma com processador próprio, o Exynos, e outra com o Snapdragon, da Qualcomm. Mas por que a Sammy faz isso? Qual a diferença entre os dois processadores?


O processador de um smartphone tem muitas funções.

Por que a Samsung usa dois processadores diferentes?

Para quem não sabe, os processadores Exynos são produzidos pela Samsung, e os Snapdragon, pela Qualcomm. A Samsung leva em conta os custos mais baixos da produção in house do Exynos, mas também os mercados e o suporte oferecido. Normalmente, os Galaxy com chips Exynos ficam na Ásia, e os com Snapdragon vão para a América do Norte e Europa; no Brasil, isso varia.

Como a Samsung é a maior fabricante de smartphones e tablets do mundo, ela precisa ter uma rede de fornecedores confiável e que consiga atender à demanda. Além disso, se um fornecedor apresenta problemas em suprir a cadeia, a fabricante pode realocar suas compras para outra empresa, isso é, se a Qualcomm tiver problemas com a fabricação dos Snapdragon, a Samsung pode aumentar sua produção de Exynos para colocar em seus Galaxy.

Chipsets da Qualcomm são quase onipresentes no universo Android. / © Qualcomm

Essa divisão também permite à Samsung escolher qual chip vai em qual modelo, permitindo ajustes por mercados e funções. Não obstante, há relatos de um contrato entre a Samsung e a Qualcomm. Outro ponto a se considerar é que dificilmente a Sammy conseguiria produzir e dar suporte a chips Exynos o suficiente para abastercer sua própria cadeia
.
O Exynos da Samsung. / © Samsung

A diferença entre Exynos e Snapdragon

A diferença mais óbvia entre os dois processadores é o número de núcleos: os Exynos têm oito e os Snapdragon, quatro. Com um número maior de núcleos e com a arquitetura big.LITTLE da ARM, a Samsung consegue produzir processadores com 4 núcleos "maiores" para atividades mais pesadas e 4 núcleos "menores", para funções mais leves. A Samsung também utiliza o Heterogeneous Multi-Processing (HMP), que permite que atividades simples sejam manejadas por até 1 núcleo e que funções pesadas possam "ligar" até os 8 núcleos de uma só vez.

A grande vantagem da arquitetura big.LITTLE é o consumo de energia, já que é possível ligar e desligar os núcleos do processador para que somente o necessário gaste bateria, sem desperdício. Outra diferença é o processador gráfico, enquanto os Snapdragon utilizam GPU Adreno, os Exynos utilizam ARM Mali.


A estratégia de usar os dois chips se manterá com os de 64-bit. / © Samsung


A velocidade de RAM também é diferente entre os processadores. Utilizando como exemplo o Snapdragon 801 e o Exynos 5430 (dois dos mais populares de 2014), temos as seguintes condições: enquanto a velocidade máxima de RAM do Snapdragon é de 933 MHz, a do Exynos chega a 2133 MHz. A velocidade de dados também é maior no Exynos pelo tamanho do semi-condutor, 20nm contra 28nm do Snapdragon.

O processador da Qualcomm leva vantagem em outro campo: ele tem LTE integrado e capacidade de gravar vídeos a 4K, enquanto o Exynos 5430, não. Além das diferenças apontadas, há algumas outras, por exemplo, a disponibilidade de insfraestrutura LTE, o licenciamento de frequências 3G que a Qualcomm tem feito em alguns mercados; mas cobrimos aqui os principais pontos. A comparação indica que o Exynos se sai melhor que o Snapdragon, só que infelizmente isso importa pouco, já que em poucas situações é possível fazer uma escolha, a não ser que você decida importar um aparelho desbloqueado de outro mercado.


O processador pode ser pequeno, mas a sua importância é gigantesca.

Não podemos esquecer que existem outros processadores no mercado, como o Tegra 4, Intel Atom e, futuramente, o NUCLUN, da LG; também lembre-se que a Samsung é quem fabrica os chips dos iPhones, apesar de a arquitetura ser diferente

                                                                                                                Fonte: ANDROIDPIT