02/08/14

Xiaomi começa operação brasileira "A Apple chinesa"


Xiaomi, fabricante de eletrônicos conhecida com “Apple chinesa”, abriu um escritório na zona sul de São Paulo e já contratou pessoas para estruturar os negócios na região. 
Marroig, antes de ingressar na Xiaomi, atuava como chefe de serviços de consultoria da Genpact no Brasil. A empresa atua no segmento de BPO. Uma pesquisa realizada pelo Baguete apurou que Leo Marroig está atuando como gerente geral da empresa na América Latina. Além disso, Chen K. L. é o gerente de projetos da operação de São Paulo.
Entre 2008 e 2011, trabalhou no Hospital Albert Einstein, onde passou pelo cargo de chefe de projetos e processos. Também atuou por mais de 8 anos na General Electric.
Chen fez parte da equipe da Gerdau entre 2007 e 2011, cumprindo a função de coordenador de projetos. Ele também teve passagens por Embraer e Cisa Trading.
Em agosto de 2013 já havia sido anunciado um reforço para a atuação da empresa no Brasil. Hugo Barra, brasileiro que antes liderava o desenvolvimento Android no Google, passou a ocupar o cargo de vice-presidente na Xiaomi.
Em maio, a empresa revelou que países como Rússia, Índia e Brasil passariam a receber a linha de produtos da companhia. Foi divulgado também que Vietnã, Turquia, México, Malásia, Filipinas, Indonésia e Tailândia passariam a comercializar os produtos da empresa.
A fabricante é conhecida por vender aparelhos Android de baixo custo. Os celulares da Xiaomi são vendidos por valores entre US$ 250 e US$ 460. O iPhone 5c, aparelho atual mais barato da Apple, custa US$ 549. 
Por isso, seus produtos tem potencial para emplacar no mercado brasileiro.
Um estudo realizado pela Kantar Worldpanel mostrou que a venda de smartphones no Brasil cresceu 101% em 2013. A classe C foi a segunda com maior penetração, responsável por 17% do mercado no ano passado. 
Além disso, dados de 2013 mostram que smartphones com preço abaixo de R$ 700 representavam mais de 70% das vendas no Brasil.
O público que busca aparelhos de preço baixo passou a apostar nos smartphones acessíveis ao invés de comprar um novo feature phone. Em maio, os modelos smart passaram a representar 76% do mercado de celulares. 
De janeiro a maio deste ano, as vendas de telefones celulares atingiram 28,2 milhões de unidades. Entre os dispositivos, foram comercializados 8,6 milhões de aparelhos tradicionais, o que significa uma queda de 41% frente ao mesmo período do ano passado. Também foram vendidos 19,5 milhões de smartphones, um incremento de 71%.
A Xiaomi foi fundada em 2010 e está entre as 10 maiores vendedoras de smartphones do mundo.
No primeiro semestre de 2014, comercializou 26,11 milhões de unidades, um aumento de 271% em relação ao mesmo período do ano passado. 
O objetivo da empresa é atingir 60 milhões de unidades em 2014, com US$ 11 bilhões em vendas.
Fonte: Baguete